Curso: MANUTENÇÃO PREDIAL SENAI/CE - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
telefone(85) 4009.6300

MANUTENÇÃO PREDIAL

Objetivo

Qualificar o profissional com conhecimentos sobre os materiais, ferramentas, identificação de problemas e os procedimentos para realizar reparos nos sistemas de um edifício como: Revestimentos argamassados e cerâmicos; Estruturas de concreto armado; Instalações prediais elétricas e hidrossanitárias; Placas e estruturas de gesso; pinturas e acabamentos.

Pré-requisito

'Ter concluído o ensino fundamental.

Conteúdo

  • MANUTENÇÃO EM REVESTIMENTOS ARGAMASSADOS / CERÂMICOS E ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO
    • '1. Revestimentos argamassados:
    • a) Materiais usados: cimento, areia e arisco.
    • b) Traços e proporções de mistura de materiais.
    • c) Ferramentas usadas: colher de pedreiro, enxada/pá, desempenadeira de madeira, régua de alumínio, marreta de aço, ponteira/talhadeira, masseira, trena, esquadro, brocha.
    • d) Principais manifestações patológicas que ocorrem em revestimentos argamassados: decomposição de reboco, desplacamento de reboco, reparo de fissuras (com uso de grampos).
    • e) Tratativas recomendadas: passo-a-passo para cada caso.
    • 2. Revestimentos cerâmicos:
    • a) Materiais usados: argamassa colante, rejunte e espaçadores.
    • b) Preparação da argamassa colante e tempos de uso de materiais.
    • c) Ferramentas usadas: colher de pedreiro, masseira, desempenadeira dentada, desempenadeira de borracha, martelo de borracha, marreta de aço, ponteira/talhadeira.
    • d) Principais manifestações patológicas em revestimentos cerâmicos: descolamento de cerâmica, trincas em cerâmicas.
    • e) Tratativas recomendadas: passo-a-passo do procedimento.
    • 3. Estruturas de concreto
    • a) Materiais usados: cimento, areia, brita tipo 1, argamassa epóxi, graute, argamassa estrutural, tinta anticorrosiva, formas de madeira, aço CA-50.
    • b) Ferramentas usadas: colher de pedreiro, masseira, trincha, marreta de aço, ponteira/talhadeira, escova de aço, arco de serra.
    • c) Mecanismo de ação de corrosão do aço e como identificar.
    • d) Tratativas recomendadas: passo-a-passo de recuperação estrutural.
  • MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES PREDIAIS ELÉTRICAS E HIDROSSANITÁRIAS
    • 1. Instalações elétricas
    • a) Materiais/dispositivos usados: disjuntores monofásico/trifásico, DR, DPS, barramentos fase/neutro/terra, cabos isolados de 1,5mm² (nas cores vermelho, azul claro e verde), Quadro de distribuição, fita isolante.
    • b) Ferramentas usadas: maletas contendo: chave Philips e fenda, alicates universal/bico/corte.
    • c) Montagem do quadro de distribuição: maneira de se ligar dispositivos e cabeamento.
    • d) Tipos de emenda em cabos e derivações.
    • e) Como expandir/criar novo circuito.
    • f) Cálculo básico de dimensionamento de disjuntores e cabeamento.
    • 2. Instalações hidráulicas
    • a) Materiais usados: Tubos soldáveis (adesivo, solução preparadora, lixa, flanela), roscáveis (veda rosca) e PPR.
    • b) Ferramentas usadas: arco de serra, esquadro, lima, mossa, tripé de corrente, tesoura de corte para tubos, termofusora.
    • c) Principais problemas encontrados em instalações hidráulicas: colagem inadequada de tubos em conexões, falta de pressão em tubulações, furo de tubulações com pregos e furadeiras, manutenção de registros de pressão.
    • d) Tratativas dos problemas: passo a passo de substituição de trecho de tubulação furada por prego ou furadeira com uso de luvas de correr. Manutenção de registro com troca de borracha (carrapeta).
    • 3. Instalações sanitárias:
    • a) Materiais: tubos de linha branca para esgoto, anel de vedação, pasta lubrificante.
    • b) Ferramentas: arco de serra, lima, esquadro, mossa, tripé de corrente.
    • c) Principais problemas encontrados em instalações sanitárias: mau cheiro pela não existência de tubulação de ventilação, mau cheiro por vazamento em caixa sifonada, uso inadequado de sifão, quebra de tubulações de esgoto.
    • d) Tratativas dos problemas: como trocar uma tubulação danificada de esgoto com luva de correr.
  • MANUTENÇÃO EM PAINÉIS E ESTRUTURAS DE GESSO
    • a) Materiais usados: Dry wall (montantes, guias, placas de gesso acartonado, parafuso PA, fita para juntas – papel/alumínio, massa para tratamento de juntas, lixa), alvenaria de gesso (bloco de gesso, gesso cola, gesso para revestimento).
    • b) Ferramentas usadas: alicate puncionador, tesoura de chapa, parafusadeira para drywall, espátula de inox, estilete, esquadro, nível de mão com base magnética, arco de serra, marreta de borracha, lápis de carpinteiro, desempenadeira lisa.
    • c) Principais manifestações patológicas: trincas em placas próximas de abertura, colocação inadequada de fita de papel perfurado, corte de perfis em aberturas, manchas de infiltração, quebra de placas e blocos de alvenaria de gesso.
    • d) Tratativas recomendas: passo a passo para reparo caso a caso.
  • MANUTENÇÃO EM PINTURAS E ACABAMENTOS
    • a) Materiais: Tinta latex PVA/Acrílica, massa corrida PVA/Acrílica, lixa para parede, selador acrílico.
    • b) Ferramentas: trincha, bandeja para tinta, rolo de lã, garfo, desempenadeira lisa.
    • c) Principais manifestações patológicas: descascamento de tinta, manchamento de tinta recém aplicada, desbotamento.
    • d) Tratativas recomendadas: passo-a-passo de manutenção de parede pintada.

Carga Horária

80 Horas

Mais Informações

* Informamos que este curso só ocorrerá se for atingido o número mínimo de alunos por turma.
SENAI - Departamento Regional do Ceará | CNPJ: 03.768.202/0001-76
Av. Barão de Studart, 1980 - 1º andar - Aldeota - Fortaleza/CE - CEP: 60.120-024
Política de Privacidade & Copyright