Curso: TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA - EAD SENAI/CE - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
telefone(85) 4009.6300

TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA - EAD Cursos ead SENAI

Objetivo

O curso técnico de Eletroeletrônica tem por objetivo habilitar profissionais no desenvolvimento, instalação e manutenção de sistemas eletroeletrônicos, de acordo com procedimentos e normas técnicas, ambientais, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho.

Pré-requisito

Para realizar a matrícula, o interessado deverá:
- ter concluído o Ensino médio ou estar cursando no mínimo o 2º ano do ensino médio.

A matrícula poderá ser efetivada por interessados (ou responsável legal) com a apresentação de cópias dos seguintes documentos:
- histórico escolar e certificado de conclusão do ensino médio ou declaração da escola comprovando que o aluno está devidamente matriculado e frequentando regularmente, no mínimo, o 2º ano do ensino médio;
- carteira de identidade ou carteira nacional de habilitação;
- cadastro de pessoa física – CPF;
- comprovante de residência;
- duas fotos 3X4 atualizadas.


Observação: Para o recebimento do Certificado/Diploma é necessário informar um e-mail válido.

Requisitos Mínimos para os Computadores

  • Processador
    • Processador Dual Core 2GHz ou superior
  • Memória
    • 1 GB de memória RAM ou mais
  • Vídeo
    • Placa de vídeo onboard de 128MB ou superior
  • Som
    • Placa de som onboard ou offboard e alto-falantes
  • Conexão com Internet
    • Conexão banda larga de 1 Mbps (por computador)
  • Sistema Operacional
    • Windows XP ou posterior
    • MAC OS 10.5.2 (Leopard) ou posterior
    • Linux Ubuntu 6+ ou outras distribuições com suporte aos Browsers homologados
    • Android 4.0 ou superior (IOS não é compatível por causa dos recursos multimídia desenvolvidos em formato flash)
  • Navegadores
    • Mozilla Firefox 18 ou posterior
    • Google Chrome 20 ou posterior
    • Internet Explorer 9 ou posterior
    • Safari 3.1 ou posterior
  • Plugins e Softwares

Conteúdo

  • COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA
    • 1. Comunicação:
    • 1.1. Processo: Emissor, Receptor, Referente, Mensagem, Canal, Código, Feedback.
    • 1.2. Níveis de fala: Gíria, Linguagem coloquial, Linguagem padrão.
    • 2. Técnica de Intelecção de Texto:
    • 2.1. Análise textual - etapa de preparação de compreensão do texto: Visão global do texto, Levantamento dos conceitos e dos termos fundamentais, Identificação de ideias principais e secundárias do parágrafo, Identificação das inter-relações textuais, Identificação de introdução, desenvolvimento e conclusão.
    • 2.2. Temática: Depreensão do assunto, Depreensão do tema, Depreensão da mensagem, Resumo do texto.
    • 2.3. Interpretativa: Coerência interna, Profundidade no tratamento do tema, validade e relevância da argumentação (e da contra argumentação), Elaboração de texto crítico.
    • 3. Parágrafo:
    • 3.1. Estrutura interna: Tópico frasal, Ideias secundárias.
    • 3.2. Unidade interna: Sequência de ideias, Coerência, Concisão.
    • 3.3. Tipos de parágrafo: Narrativo, Descritivo, Dissertativo.
    • 4. Descrição de: Objeto, Processo, Ambiente.
    • 5. Estrutura de Dissertação: Introdução, Desenvolvimento, Conclusão.
    • 6. Relatório Técnico: Estrutura básica; Tipos de relatório: Atividade, Ocorrência, Estudos ou de pesquisa.
    • 7. Internet: Pesquisa; Comunicação: E-mail, SMS.
    • 8. Editor de Texto: Digitação de textos; Inserções; Formatação; Impressão de arquivos.
    • 9. Editor de apresentações gráficas: Apresentação: Estruturação da apresentação, Gerenciamento de tempo, Ferramentas de multimídia; Slide; Regras de estruturação, Inserção de figuras e arquivos, Formatação.
  • ELETRICIDADE
    • 1. Fundamentos de Eletricidade:
    • 1.1. Histórico;
    • 1.2. Materiais elétricos;
    • 1.3. Fontes geradoras por ação:
    • 1.3.1. Pressão,
    • 1.3.2. Química,
    • 1.3.3. Magnética,
    • 1.3.4. Térmica,
    • 1.3.5. Mecânica,
    • 1.3.6. Luminosa.
    • 2. Grandezas fundamentais do circuito elétrico:
    • 2.1. Corrente elétrica;
    • 2.2. Tensão elétrica;
    • 2.3. Resistência elétrica.
    • 3. Algarismos Significativos:
    • 3.1. Múltiplos;
    • 3.2. Submúltiplos;
    • 3.3. Dígitos Significativos na Leitura de Instrumentos;
    • 3.4. Notação Científica.
    • 4. Circuitos elétricos:
    • 4.1. Série;
    • 4.2. Paralelo;
    • 4.3. Misto.
    • 5. Leis e teoremas.
    • 5.1. Leis:
    • 5.1.1. Ohm,
    • 5.1.2. Kirchhoff;
    • 5.2. Teorema:
    • 5.2.1. Thevenin,
    • 5.2.2. Norton,
    • 6. Potência elétrica em corrente contínua:
    • 6.1. Definição;
    • 6.2. Energia elétrica;
    • 6.3. Rendimento;
    • 6.4. Máxima transferência de potência;
    • 6.5. Lei de Joule.
    • 7. Magnetismo e Eletromagnetismo:
    • 7.1. Ferromagnetismo:
    • 7.1.1. Natural,
    • 7.1.2. Artificial,
    • 7.1.3. Leis da atração e repulsão entre polos,
    • 7.1.4. Inseparabilidade dos ímãs,
    • 7.1.5. Interação entre ímãs;
    • 7.2. Campo Magnético:
    • 7.2.1. Linhas de forças magnéticas,
    • 7.2.2. Fluxo de indução magnética,
    • 7.2.3. Densidade do fluxo magnético,
    • 7.2.4. Circuitos magnéticos;
    • 7.3. Eletromagnetismo:
    • 7.3.1. Campo magnético no condutor,
    • 7.3.2. Regras,
    • 7.3.3. Força de Lorentz,
    • 7.3.4. Lei de Faraday,
    • 7.3.5. Lei de Lenz,
    • 7.3.6. Autoindução.
    • 8. Capacitância e indutância
    • 8.1. Capacitores:
    • 8.1.1. Definição,
    • 8.1.2. Características,
    • 8.1.3. Comportamento em corrente contínua,
    • 8.1.4. Associação em série,
    • 8.1.5. Associação em paralelo;
    • 8.2. Indutores:
    • 8.2.1. Definição,
    • 8.2.2. Características,
    • 8.2.3. Comportamento em corrente contínua,
    • 8.2.4. Associação em série,
    • 8.2.5. Associação em paralelo.
    • 9. Corrente alternada
    • 9.1. Princípio de geração;
    • 9.2. Grandezas e valores característicos;
    • 9.3. Análise grágica
    • 9.3.1. Comportamento de circuitos resistivo, capacitivos e indutivos em corrente alternada;
    • 9.3.2. Resistivo, indutivo, RL - série e paralelo,
    • 9.3.3. Resistivo, capacitivo, RC - série e paralelo,
    • 9.3.4. Resistivo, indutivo, capacitivo, RLC - série e paralelo.
    • 9.4. Potência em corrente alternada:
    • 9.4.1. Aparente,
    • 9.4.2. Ativa,
    • 9.4.3. Reativa;
    • 9.5. Fator de Potência;
    • 10. Medidas elétricas
    • 10.1. Analógicos
    • 10.2. Digitais;
    • 11. Características básicas dos instrumentos de medida;
    • 11.1. Escala;
    • 11.2. Precisão;
    • 11.3. Sensibilidade;
    • 11.4. Posição;
    • 11.5. Isolação.
    • 12. Instrumentos e grandezas;
    • 12.1. Voltímetro;
    • 12.2. Amperímetro;
    • 12.3. Ohmímetro;
    • 12.4. Wattímetro
    • 12.5. Cossifímetro
    • 12.6. Frequencímetro
    • 12.7. Multímetros
  • LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO
    • 1. Leitura e interpretação de medidas da planta baixa
    • 1.1. Leitura inicial de uma planta baixa
    • 1.1.1 Unidades de medidas
    • 1.1.1.1 Sistema Internacional de Unidades (SI)
    • 1.1.1.2 Sistema Inglês de Unidades
    • 1.1.1.3 Múltiplos e submúltiplos das unidades do SI
    • 1.2 Medidas lineares e de áreas
    • 1.2.1 Conversão de unidades entre o SI e o Sistema Inglês
    • 1.2.1.1. Razão e proporção
    • 1.2.1.2. Regra de três
    • 1.2.2 Ferramentas e instrumentos de medidas
    • 1.3 Escala
    • 1.3.1 Definição e aplicação de escala
    • 1.3.2 Tipos de escalas
    • 1.3.3 Escalímetro
    • 2. Leitura e interpretação das instalações elétricas
    • 2.1 Símbolos e recursos gráficos
    • 2.1.2 Tomadas
    • 2.1.3 Interruptores e iluminação
    • 2.2 Diagrama unifilar e multifilar
    • 2.3 Componentes de instalações elétricas
    • 2.3.1 Condutores
    • 2.3.2 Carga
    • 2.3.3 Interruptores
    • 2.3.4 Tomadas
    • 2.3.5 Eletrodutos
    • 2.3.6 Condulete e Caixa de Passagem
    • 2.3.7 Dispositivos de proteção
    • 2.3.8 Quadro de medição e quadro de luz
    • 2.4 Instalações elétricas em planta baixa residencial
    • 3. Desenho técnico
    • 3.1. Perspectivas
    • 3.2. Vistas
    • 3.3. Cortes
    • 3.4. cotas
  • QUALIDADE, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA NO TRABALHO
    • 1. Qualidade: Terminologias e procedimentos; Princípios de gestão da qualidade; Processo;
    • Ferramentas: Pareto, Ishikawa, Histograma, Lista de Verificação, Brainstorm, Gráfico de Controle, Diagrama de Dispersão.
    • 2. Planilhas e gráficos: Formatação, Inserções de dados; Edição; Impressão de arquivos
    • 3. Saúde e Segurança: Acidentes de trabalho (Definições, Características, tipos); Doenças (Profissionais, Doença do trabalho);Condições ambientais (Riscos ambientais no trabalho, Riscos ergonômicos, Riscos Elétricos, Prevenção e redução de danos);Riscos ocupacionais (Medidas preventivas, Utilização de equipamentos de prevenção individual (EPI´s), Utilização de equipamentos de prevenção coletiva (EPC´s), Controle e conservação dos equipamentos de proteção); A CIPA.
    • 4. Meio ambiente: aspectos e impactos ambientais da ação humana: Consumo consciente, Reciclagem de Lixo, descarte de resíduos; ecossistemas e globalização dos problemas ambientais; racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia; preservação do meio, tecnologias limpas, uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável.
  • INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS PREDIAIS
    • 1. Normas e simbologia: O que é normalização; Normas técnicas brasileiras; normas para eletricidade/eletrônica; Normas técnicas para eletricista predial;
    • 2. Diagramas elétricos: Diagrama elétrico; Tipos de diagrama; Aplicação do diagrama unifilar.
    • 3. Leitura e interpretação de projeto de instalação predial: Leitura e interpretação de projetos; Quadro de luz e força; Circuitos de iluminação; Interruptores; Eletrodutos; Circuitos de força; Tomada de uso geral (TUG); Tomada de uso especifico (TUE); Erros comuns em projetos;
    • 4. Planejamento da instalação: Ordem de serviço; Lista de verificação (check list); Registro do planejamento; Fases do trabalho de instalação; Relatório.
    • 5. Condutores elétricos e de sinais: Condutores elétricos (Tipos de condutores elétricos, Isolação, Seção nominal do condutor, Classes dos condutores, Capacidade de condução de corrente); Condutores de sinais.
    • 6. Emendas e conexões de condutores elétricos: Emendas e derivações (Ferramentas, equipamentos e segurança para a execução de emendas); Alicates; Escadas; Segurança na utilização de escadas; Equipamentos de proteção individual; Emendas e conexões de condutores; Procedimento de execução de uma emenda; Emendas com conector tipo Split bolt; Isolação de emendas; Conectores para cabos de rede; Montagem de conector em cabos de sinais.
    • 7. Montagem de eletrodutos e eletrocalhas: Eletrodutos ( Acessórios para instalação de eletrodutos, Eletrocalhas e perfilados, Ferramentas e equipamentos para instalação de eletrodutos); Procedimentos de montagem de redes de eletroduto(. Serrar, abrir roscas, e curvar eletrodutos; Marcar, localizar os elementos e traçar o percurso da instalação; Montar rede embutida de eletrodutos; Passar condutores em eletroduto).
    • 8. Interligação de dispositivos elétricos e de sinais:Tomadas e plugues para circuito de força (Instalação de tomada para circuitos de força; Procedimento de instalação); Tomadas para cabos de transmissão de sinais (Procedimento para instalação de conector RJ45); Interruptores; Lâmpadas; Descarte de lâmpadas; Instalação de interruptores.
    • 9. Instalação de componentes para automação predial: Interfone, Alarme, CFTV
    • 10. Instalação e montagem de quadros de distribuição: Dispositivos de proteção (disjuntores, interruptores de corrente de fuga, dispositivos de proteção contra surtos, fusíveis); Quadro geral de força e luz (Procedimento para instalação e montagem dos quadros, padrão de entrada, quadro de medição).
    • 11. Aterramento: O que deve ser aterrado; Eletrodos de aterramento; Esquemas de aterramento ( Esquema TN , Esquema TN-S, Esquema TN-C-S, Esquema TN-C, Esquema TT); Dimensionamento de condutores de proteção; Execução de aterramento residencial; Medição de aterramento.
    • 12. Validação da instalação: Inspeção final para validação; Exigências quanto ao projeto; Inspeção visual; Execução da inspeção; Ensaios de campo em instalação ( Ensaios, Relatórios).
  • INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS INDUSTRIAIS
    • 1. Instalação da infraestrutura de painel de comando elétrico industrial:
    • 1.1. Painéis de comando
    • 1.1.1. Painel
    • 1.1.2. Porta
    • 1.1.3. Placa de montagem
    • 1.2. Trilhos
    • 1.2.1. Trilho DIN 35
    • 1.2.2. Trilho DIN 32
    • 1.2.3. Trilho DIN 15
    • 1.2.4. Trilho DIN 35/15
    • 1.2.5. Fixação de trilhos
    • 1.3. Canaletas
    • 1.4. Acessórios
    • 1.4.1. Fechos para abertura e fechamento da porta do painel
    • 1.4.2. Cabo de aterramento elétrico
    • 1.4.3. Prensa cabos
    • 2. Instalação de dispositivos de proteção eletroeletrônico industrial
    • 2.1. Fusíveis
    • 2.1.1. Fusíveis tipo D
    • 2.1.2. Fusíveis tipo NH
    • 2.2. Disjuntores
    • 2.2.1. Disjuntores Termomagnéticos
    • 2.2.2. Disjuntores Diferencial Residual (Disjuntor DR)
    • 2.3. Relês Térmicos
    • 2.4. Disjuntores Motor
    • 3. Instalação de dispositivos de comando eletroeletrônico industrial
    • 3.1. Chaves seccionadoras
    • 3.2. Botões e chaves fim de curso
    • 3.2.1. Botões
    • 3.2.2. Chaves fim de curso
    • 3.3. Contatores e relês
    • 3.3.1. Contatores
    • 3.3.2. Relês
    • 3.4. Sinalizadores
    • 3.4.1. Sinalizador sonoro
    • 3.4.2. Sinalizador luminoso
    • 3.5. Temporizadores
    • 3.6. Conectores
    • 3.7. Acessórios
    • 3.7.1. Tampa
    • 3.7.2. Poste
    • 3.7.3. Placas separadoras
    • 3.7.4. Ponte conectora
    • 3.7.5. Identificadores para conectores
    • 3.7.6. Identificadores para condutores
    • 3.7.7. Acessórios para fixação em painéis de comando
    • 3.7.8. Terminais elétricos
    • 4. Instalação de máquinas elétricas estáticas
    • 4.1. Características
    • 4.1.1. Núcleo
    • 4.1.2. Bobinas
    • 4.2. Tipos de transformadores
    • 4.2.1. Transformadores Monofásicos
    • 4.2.2. Transformadores Trifásicos
  • INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELETRÔNICOS
    • 1. Soldagem e pré-formatação de componentes:
    • 1.1. Placas de Circuito Impresso (PCI)
    • 1.1.1. Material
    • 1.1.2. Número de Camadas
    • 1.1.3. Processos de fabricação
    • 1.1.4. Máscara de Componentes
    • 1.1.5. Ilha e trilha
    • 2. Manuseio de Componentes
    • 2.1.1. Pré-formatação
    • 2.1.2. Cuidados com descargas eletrostáticas (Eletrostatical Sensible Device – ESD)
    • 3. Soldagem e dessoldagem de componentes PTH e SMD
    • 3.1.1. Materiais (solda com e sem chumbo, fluxo e malha para dessoldar)
    • 3.1.2. Ferro de solda
    • 3.1.3. Estação de solda
    • 3.1.4. Estação de retrabalho para componentes SMD
    • 3.1.5. Estação de dessoldagem
    • 3.2. Aspectos relacionados ao meio ambiente, saúde e segurança do trabalho na instalação de sistemas eletrônicos
    • 4. Componentes SMD e PTH de sistemas eletrônicos:
    • 4.1. Encapsulamentos
    • 4.2. Dissipadores
    • 4.2.1. Definição
    • 4.2.2. Isoladores (mica e aneis)
    • 4.2.3. Pasta térmica
    • 4.3. Folha de dados (datasheet)
    • 4.4. Normas de simbologia eletrônica
    • 4.5. Resistores
    • 4.5.1. Tipos (Fixos e Ajustáveis)
    • 4.5.2. Identificação dos terminais
    • 4.5.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.6. Capacitores
    • 4.6.1. Tipos
    • 4.6.2. Identificação dos terminais
    • 4.6.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.7. Indutores
    • 4.7.1. Tipos
    • 4.7.2. Identificação dos terminais
    • 4.7.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.8. Diodos
    • 4.8.1. Tipos (Retificador, LED e Zener)
    • 4.8.2. Simbologia
    • 4.8.3. Identificação dos terminais
    • 4.8.4. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.9. Ponte Retificadora
    • 4.9.1. Simbologia
    • 4.9.2. Identificação dos terminais
    • 4.9.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.10. Transistores Bipolar
    • 4.10.1. Simbologia
    • 4.10.2. Identificação dos terminais
    • 4.10.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.11. Transistor de Efeito de Campo Metal-Óxido Semicondutor (MOSFET)
    • 4.11.1. Simbologia
    • 4.11.2. Identificação dos terminais
    • 4.11.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.12. Tiristores (SCR e TRIAC)
    • 4.12.1. Simbologia
    • 4.12.2. Identificação dos terminais
    • 4.12.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.13. Circuitos Integrados
    • 4.13.1. Identificação dos terminais
    • 4.13.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.14. Reguladores de tensão
    • 4.14.1. Simbologia
    • 4.14.2. Identificação dos terminais
    • 4.14.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.15. Relé
    • 4.15.1. Simbologia
    • 4.15.2. Identificação dos terminais
    • 4.15.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4.16. Conectores
    • 4.16.1. Tipos
    • 4.16.2. Características Físicas
    • 5. Instalação de sistemas eletrônicos:
    • 5.1. Procedimentos de rotinas de trabalho
    • 5.2. Conexões entre os dispositivos
    • 6. Equipamentos:
    • 6.1. Fonte de tensão;
    • 6.2. Gerador de funções;
    • 6.3. Osciloscópio.
    • 7. Validação da instalação de sistemas eletrônicos
    • 7.1. Comissionamento
    • 7.1.1. Medições e ajustes
    • 7.1.2. Funcionamento de acordo com o projeto
    • 7.1.3. Correção de possíveis falhas de montagem
    • 7.2. Registros da validação.
  • GESTÃO DA INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS
    • 1 - Visão sistêmica.
    • 1.1 Definição;
    • 1.2 Percepção e ilusões perceptivas;
    • 1.3 Atenção seletiva, organização perceptiva;
    • 1.4 Teoria dos sistemas:
    • 1.4.1 Elementos;
    • 1.4.2 Estudo nas empresas.
    • 2 - Planejamento da instalação
    • 2.1 Planejamento da instalação:
    • 2.1.1 Ciclo PDCA.
    • 2.1.2 Sequência de atividades para execução da instalação;
    • 2.1.3 Ordens de serviço e permissões de trabalho;
    • 2.1.4 Definição dos prazos para o fornecimento de materiais, equipamentos e ferramentas.
    • 2.2 Dados necessários para o planejamento da instalação:
    • 2.2.1 Quantidade e valor dos materiais e equipamentos;
    • 2.2.2 Tempos de execução das atividades, quantidade e custo da mão de obra.
    • 2.3 Cronograma:
    • 2.3.1 Elaboração do cronograma;
    • 2.3.2 Controlando a execução da instalação;
    • 2.3.3 Adequações.
    • 3 - Processos de liderança das equipes de trabalho
    • 3.1 Estilos Autocrático, Democrático e Liberal.
    • 3.2 Trabalho em Equipe:
    • 3.2.1 Cooperação, competição, comprometimento e compromisso;
    • 3.2.2 Iniciativa pessoal.
    • 3.3 Motivação:
    • 3.3.1 O estudo dos motivos e as Teorias de Maslow e Herzberg.
    • 3.4 Processo de mudança em uma organização:
    • 3.4.1 Elementos e agentes envolvidos nos processos de mudança;
    • 3.4.2 Gestão dos processos de mudança.
  • MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS PREDIAIS
    • Instrumentos de medição
    • Megôhmetro: Tipos, Procedimentos de medição;
    • Câmera termográfica: Tipos, Procedimentos de medição;
    • Termômetro de mira laser;
    • Terrômetro: Tipos, Procedimentos de medição;
    • Analisador de cabos de rede de sinais.;
    • Analisador de energia;
    • Volt- amperímetro alicate.
    • Causas de falhas e defeitos em sistemas elétricos prediais:
    • Sistemas de alimentação elétrica instável;
    • Umidade nas tubulações/fiações/dispositivos;
    • Conexões com mau contato;
    • Regulagem inadequada dos sistemas de proteção, iluminação, ventilação, alarme;
    • Descargas atmosféricas/surtos;
    • Deterioração dos componentes por desvio no padrão de funcionamento.
    • Ferramentas de diagnóstico: Dados contidos em diagramas, manuais, prontuários; Softwares específicos para controle de ações de manutenção;
    • Procedimentos de levantamento de dados: Coleta de dados de padrões de funcionamento;
    • Procedimentos de diagnósticos: inspeção visual/ instrumental; realização de testes/ensaios; análise das causas e defeitos em função dos resultados de testes e ensaios;
    • Procedimentos para a análise dos defeitos comparados aos padrões de pleno funcionamento: medição de valores de tensão, corrente, resistência de isolação, corrente de fuga; avaliação do estado das conexões e plugues com auxílio do testador de cabos (redes de sinais elétricos); verificação do estado dos componentes e dispositivos de proteção.
    • Procedimentos técnicos de utilização de ferramentas e instrumentos de medição;
    • Preenchimento de relatórios de diagnóstico.
    • Execução da manutenção
    • Procedimentos de teste, inspeção, ensaios e substituição de componentes de:
    • Quadro padrão/quadro de entrada (centro de medição);
    • Circuitos de instalações prediais com dispositivos de comando e conexão (tomadas/ interruptores, lâmpadas, dimmer, relés, disjuntores);
    • Dispositivos de proteção contidos nos quadros de luz e força (disjuntores, fusíveis, interruptores diferenciais residuais, disjuntor diferencial residual, DPS, aterramento, sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA). Equipotencialização);
    • Dispositivos eletroeletrônicos (sensores, programadores e relés programáveis): Sistemas de circuitos auxiliares: sinalização (de topo de edifício, de entrada e saída de veículos, de emergência) e rotinas para ajustes de portas automáticas; procedimentos de teste, inspeção e ensaios de sistemas de: Alarme patrimonial e incêndio, controles de acesso;
    • Iluminação e climatização; Antena e monitoramento de imagens; Técnicas de medição (direta e indireta) de circuitos monofásicos e trifásicos; Procedimentos para a verificação de parâmetros elétricos de circuitos de recalque de água.
    • Normas ambientais para descarte de resíduos.
    • Normas de segurança no trabalho, sinalização e isolação da área sob manutenção e uso de EPI e EPC.
    • Validação da manutenção em sistemas elétricos prediais
    • Leitura e interpretação do projeto da instalação elétrica para verificação de conformidade com os parâmetros do projeto;
    • Rotinas para o teste de funcionamento do sistema;
    • Rotina para a medição das grandezas envolvidas;
    • Formulário para liberação do sistema;
    • Rotina de encerramento de ordem do serviço.
    • Relatórios
    • Registro de: Dados coletados durante os testes; Serviços executados; Alterações a serem acrescentadas no prontuário e no projeto.
  • MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS INDUSTRIAIS
    • 1. Sistemas de partida de motores convencionais:
    • 1.1. Direta:
    • 1.1.1. Dispositivos de sinalização,
    • 1.1.2. Botões,
    • 1.1.3. Contatores e relés,
    • 1.1.4. Fusíveis,
    • 1.1.5. Disjuntores (termomagnético e motor),
    • 1.1.6. Relés térmicos,
    • 1.1.7. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.1.8. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.1.9. Sensor de nível mecânico (chave bóia)
    • 1.1.10. Procedimento de Testes,
    • 1.1.11. Possíveis Falhas.
    • 1.2. Direta com reversão:
    • 1.2.1. Características construtivas internas e princípio de funcionamento de Motor trifásico com rotor gaiola de esquilo,
    • 1.2.2. Sensores: indutivo
    • 1.2.3. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.2.4. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.2.5. Procedimento de Testes,
    • 1.2.6. Possíveis Falhas.
    • 1.3. Estrela – triângulo:
    • 1.3.1. Temporizadores,
    • 1.3.2. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.3.3. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.3.4. Procedimento de Testes,
    • 1.3.5. Possíveis Falhas.
    • 1.4. Compensadora:
    • 1.4.1. Autotransformadores,
    • 1.4.2. Transformadores de corrente,
    • 1.4.3. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.4.4. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.4.5. Procedimento de Testes,
    • 1.4.6. Possíveis Falhas.
    • 1.4.7. Sensor de temperatura
    • 1.5. Com comutação de velocidades:
    • 1.5.1. Características construtivas internas e princípio de funcionamento de Motor trifásico tipo Dahlander,
    • 1.5.2. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.5.3. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.5.4. Procedimento de Testes,
    • 1.5.5. Possíveis Falhas.
    • 1.6. Aceleração rotórica:
    • 1.6.1. Características construtivas internas e princípio de funcionamento de Motor trifásico com rotor bobinado,
    • 1.6.2. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.6.3. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.6.4. Procedimento de Testes,
    • 1.6.5. Possíveis Falhas.
    • 1.7. Motores de corrente contínua:
    • 1.7.1. Características construtivas internas e princípio de funcionamento de Motores de corrente contínua,
    • 1.7.2. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.7.3. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.7.4. Procedimento de Testes,
    • 1.7.5. Possíveis Falhas.
    • 1.7.6. Conversores CA/CC
    • 1.8. Servomotores:
    • 1.8.1. Características construtivas internas e princípio de funcionamento de Servomotores,
    • 1.8.2. Finalidade do sistema de partida,
    • 1.8.3. Funcionamento do sistema de partida,
    • 1.8.4. Procedimento de Testes,
    • 1.8.5. Possíveis Falhas.
    • 1.8.6. Tacogerador,
    • 1.8.7. Encoders,
    • 1.8.8. Resolver;
    • 1.8.9. Servoconversores.
    • 2. Soft Starter:
    • 2.1.1. Finalidade do sistema de partida,
    • 2.1.2. Funcionamento do sistema de partida,
    • 2.1.3. Procedimento de Testes,
    • 2.1.4. Possíveis Falhas.
    • 2.2. Conversor CA/CA (Inversor de frequência):
    • 2.2.1. Finalidade do sistema de partida,
    • 2.2.2. Funcionamento do sistema de partida,
    • 2.2.3. Procedimento de Testes,
    • 2.2.4. Possíveis Falhas.
    • 3. Sistemas Eletropneumáticos:
    • 3.1.1. Circuito eletropneumático
    • 3.1.2. Unidade de conservação,
    • 3.1.3. Elementos de trabalho,
    • 3.1.4. Válvulas direcionais,
    • 3.1.5. Eletroválvula
    • 3.1.6. Finalidade do sistema,
    • 3.1.7. Funcionamento do sistema,
    • 3.1.8. Sensor de pressão
    • 3.1.9. Sensor capacitivo
    • 3.1.10. Procedimento de Testes,
    • 3.1.11. Possíveis Falhas.
    • 3.2. Sistemas Eletrohidráulicos:
    • 3.2.1. Circuito eletrohidráulico,
    • 3.2.2. Unidade hidráulica,
    • 3.2.3. Elementos de trabalho,
    • 3.2.4. Válvulas direcionais,
    • 3.2.5. Eletroválvula
    • 3.2.6. Finalidade do sistema,
    • 3.2.7. Funcionamento do sistema,
    • 3.2.8. Sensor de vazão
    • 3.2.9. Procedimento de Testes,
    • 3.2.10. Possíveis Falhas.
    • 4. Controladores Programáveis:
    • 4.1. Estrutura básica,
    • 4.2. Ciclo de processamento SCAN,
    • 4.3. Arquitetura de um CLP,
    • 4.4. Sistema de memória;
    • 4.5. Comunicação com computador e Interface Homem Máquina
    • 4.6. Tipos de entrada e saída (digital e analógica),
    • 4.7. Configuração dos módulos de entrada e saída,
    • 4.8. Programação de entradas e saídas digitais
    • 4.9. Interface Homem Máquina
    • 4.10. Testes de cabos de redes industriais
    • 4.11. Monitoração
    • 4.12. Finalidade,
    • 4.13. Funcionamento,
    • 4.14. Procedimento de Testes,
    • 4.15. Falhas possíveis.
    • 4.16. Sensor ultrassônico
    • 4.17. Sensores óptico
    • 4.18. Sensor pick-up
    • 5. Diagnóstico de defeitos e falhas em sistemas eletroeletrônicos industriais:
    • 5.1. Manutenção Corretiva
    • 5.1.1. Coleta de dados,
    • 5.1.2. Documentação técnica,
    • 5.1.3. Entrevista com o operador,
    • 5.1.4. Levantamento de hipóteses,
    • 5.1.5. Inspeção visual,
    • 5.1.6. Comparação com outro equipamento,
    • 5.1.7. Comparação com esquema elétrico,
    • 5.1.8. Análise de funcionamento,
    • 5.1.9. Teste de continuidade,
    • 5.1.10. Teste de isolação,
    • 5.1.11. Teste de presença de tensão,
    • 5.1.12. Por software,
    • 5.1.13. Comprovação das hipóteses,
    • 5.1.14. Registrando informações sobre as causas de falhas e defeitos.
    • 5.2. Manutenção preventiva:
    • 5.2.1. Inspeção visual e instrumental periódica,
    • 5.2.2. Análise de valores medidos com os referenciais típicos,
    • 5.2.3. Registro de anomalias constatadas nos sistemas,
    • 5.2.4. Planejamento da manutenção preditiva e otimização;
    • 5.2.5. Procedimentos de inspeção visual dos elementos de potência e comando;
    • 5.2.6. Procedimentos para testes dos dispositivos de proteção;
    • 5.2.7. Substituição de componentes;
    • 5.2.8. Limpeza e lubrificação;
    • 5.2.9. Procedimentos para a verificação de parâmetros elétricos de circuitos eletroeletrônicos industriais;
    • 6. Aspectos relacionados ao meio ambiente, saúde e segurança do trabalho na execução dos serviços de manutenção industrial
    • 7. Validação da manutenção em sistemas elétricos industriais:
    • 7.1. Rotinas para o teste de funcionamento do sistema;
    • 7.2. Rotina para a medição das grandezas envolvidas;
    • 7.3. Rotina de encerramento de ordem do serviço.
    • 7.4. Registros dos serviços de manutenção realizados
  • MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELETRÔNICOS
    • 1. Circuito fonte de tensão linear
    • 1.1. Finalidade
    • 1.2. Funcionamento
    • 1.3. Possíveis falhas
    • 2. Circuito transistor como chave
    • 2.1. Finalidade
    • 2.2. Funcionamento
    • 2.3. Possíveis falhas
    • 3. Circuito interface de potência AC
    • 3.1. Finalidade
    • 3.2. Funcionamento
    • 3.3. Possíveis falhas
    • 4. Circuito interface de potência DC
    • 4.1. Finalidade
    • 4.2. Funcionamento
    • 4.3. Possíveis falhas
    • 5. Circuito fonte chaveada
    • 5.1. Finalidade
    • 5.2. Funcionamento
    • 5.3. Possíveis falhas
    • 6. Circuito comparador de tensão
    • 6.1. Finalidade
    • 6.2. Funcionamento
    • 6.3. Possíveis falhas
    • 7. Circuitos digitais
    • 7.1. Sistemas de numeração
    • 7.1.1. Decimal
    • 7.1.2. Binário
    • 7.1.3. Hexadecimal
    • 7.2. Portas lógicas
    • 7.3. Flip-Flop RS
    • 7.4. Introdução às famílias lógicas
    • 8. Circuitos microcontrolados
    • 8.1. Finalidade
    • 8.2. Funcionamento
    • 8.3. Possíveis falhas
    • 9. Diagnóstico de falhas e defeitos em sistemas eletrônicos
    • 9.1. Entrevista com o usuário
    • 9.2. Documentação técnica
    • 9.3. Levantamento de hipóteses
    • 9.4. Inspeção visual
    • 9.5. Coleta de dados (medidas de grandezas )
    • 9.6. Comprovação das hipóteses
    • 9.7. Comparação com outro equipamento
    • 9.8. Comparação com esquema elétrico
    • 9.9. Levantamento de circuito
    • 9.10. Análise de funcionamento
    • 9.11. Por software
    • 9.12. Registrando informações sobre as causas de falhas e defeitos
    • 10. Manutenção de sistemas eletrônicos
    • 10.1. Substituindo componentes danificados
    • 10.2. Ajustando parâmetros
    • 10.3. Registrando dados de manutenção
    • 11. Validação da manutenção de sistemas eletrônicos
    • 11.1. Rotinas de testes de validação
    • 11.2. Encerramento da ordem de serviço
    • 12. Aspectos relacionados ao meio ambiente, saúde e segurança do trabalho na execução dos serviços de manutenção eletrônica.
  • GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS
    • Manutenção:
    • A evolução dos processos de manutenção.
    • Definições:
    • Manutenção;
    • Avaria ou falha;
    • Análise de falhas;
    • Capabilidade;
    • Confiabilidade;
    • Criticidade;
    • Defeito;
    • Manutenibilidade;
    • Disponibilidade;
    • Prioridade.
    • Métodos de manutenção:
    • Manutenção corretiva;
    • Manutenção preventiva;
    • Manutenção preditiva.
    • Sistemas de manutenção:
    • Manutenção produtiva total (TPM).
    • Gestão da Manutenção:
    • Análise das falhas nos equipamentos:
    • Causas;
    • Modelos;
    • Prevenção;
    • Tratamentos.
    • Ferramentas da qualidade aplicáveis aos processos de manutenção:
    • 5W1H;
    • MASP;
    • 5S.
    • Planejamento da manutenção:
    • Permissões para execução dos serviços.
    • Dados históricos;
    • Recursos necessários;
    • Implicações ambientais;
    • Padrões de manutenção;
    • Indicadores de desempenho;
    • Elaboração do plano de manutenção.
    • Otimização dos recursos para manutenção:
    • Organização do pessoal;
    • Definição das responsabilidades;
    • Gestão dos materiais, equipamentos e ferramentas;
    • Custos do processo de manutenção;
    • Controle e revisão dos orçamentos;
    • Redução dos custos de manutenção;
    • Terceirização dos processos de manutenção.
    • Recursos computacionais para gestão da manutenção:
    • Ordens de serviço;
    • Aplicativos;
    • Cadastro das informações;
    • Relatórios.
  • PROJETO DE SISTEMAS ELÉTRICOS PREDIAIS
    • 1. Concepção do projeto elétrico predial:
    • 1.1. Levantamento de dados: planta baixa da arquitetura do prédio, com detalhes da infraestrutura, condições de fornecimento de energia elétrica, características das cargas;
    • 1.2. Divisão das cargas;
    • 1.3. Localização dos quadros de distribuição de circuitos terminais;
    • 1.4. Localização do quadro de distribuição geral;
    • 1.5. Estimativa de custos.
    • 2. Previsão das cargas e divisão de circuitos segundo a NBR 5410:
    • 2.1. Iluminação: Métodos para o cálculo de iluminação;
    • 2.2. Tomadas: Quantidade mínima de tomadas de uso geral, Quantidade e potência de tomadas de uso específico;
    • 2.3. Circuitos terminais: Critérios para divisão da instalação em circuitos.
    • 3. Fornecimento de energia elétrica:
    • 3.1. Especificação de entradas de energia: Carga instalada, Provável demanda, Fator de demanda;
    • 3.2. Padrão de entrada: Norma específica da concessionária local.
    • 4. Condutores elétricos:
    • 4.1. Dimensionamento de condutores elétricos: Sistemas de condutores energizados, Sistemas de aterramento,
    • 4.2. Critérios para divisão de circuitos previstos na NBR 5410;
    • 4.3. Critérios para o dimensionamento da seção mínima do condutor fase: Capacidade de condução de corrente, Limite da queda de tensão;
    • 4.4. Critério para o dimensionamento da seção mínima do condutor neutro previsto na NBR 5410;
    • 4.5. Critério para o dimensionamento da seção mínima do condutor de proteção previsto na NBR 5410;
    • 4.6. Consulta a catálogos e manuais.
    • 5. Dimensionamentos de Dutos:
    • 5.1. Eletrodutos;
    • 5.2. Canaletas;
    • 5.3. Eletrocalhas;
    • 5.4. Bandejas (leitos);
    • 5.5. Consulta a catálogos e manuais.
    • 6. Proteção de sistemas de baixa tensão:
    • 6.1. Dimensionamento dos dispositivos de proteção: Disjuntores de baixa tensão, Fusíveis, Consulta a catálogos e manuais;
    • 6.2. Proteção contra choques elétricos e efeitos térmicos: Dimensionamento de disjuntor , DR, DDR e DPS.
    • 7. Aterramento:
    • 7.1. Específicar segundo NBR 5410: Esquema TN, Esquema TT, Esquema IT;
    • 7.2. Aterramento de proteção: Eletrodo de aterramento, Condutor de aterramento;
    • 7.3. Equipotencialização: Condutores de equipotencialização, Aplicação.
    • 8. Proteção contra descargas elétricas atmosféricas;
    • 8.1. Específicar segundo a NBR 5410;
    • 8.2. Sistema de proteção contra descargas atmosféricas: Constituição de um SPDA, Tipos de pára-raios, Níveis de proteção, Dispositivos de proteção contra surtos (DPS).
    • 9. Luminotécnica:
    • 9.1. Cálculo de iluminação de interiores
    • 9.2. Cálculo de Iluminação de exteriores:
    • 9.3. Sistema autônomo de emergência, Banco de baterias, Gerador auxiliar;
    • 9.4. Consulta a catálogos e manuais.
    • 10. Domótica:
    • 10.1. Controle de iluminação: Automática, Manual;
    • 10.2. Sistema de controle de recalque de água;
    • 10.3. Sistema de controle de acesso: Identificação biométrica, Portas e portões, Codificação de controle remoto, Segurança eletrônica, Porteiro eletrônico;
    • 10.4. Sistema de monitoramento: Câmeras CFTV;
    • 10.5. Sistema de controle de climatização;
    • 10.6. Integração dos dispositivos: Redes de comunicação, Redes sem fio, Sistemas de supervisão.
    • 11. Elaboração de planta elétrica baixa predial:
    • 11.1. Representação dos símbolos gráficos na planta, conforme previsão das cargas;
    • 11.2. Posicionamento na planta dos quadros de: medição e distribuição;
    • 11.3. Representação na planta dos eletrodutos de interligação dos pontos de luz, tomadas, QDP(quadro de distribuição e proteção) e QM(quadro de medição);
    • 11.4. Representação dos circuitos;
    • 11.5. Representação na planta dos eletrodutos da rede de telefonia, TV, Redes de comunicação;
    • 11.6. Indicação na planta das seções dos condutores;
    • 11.7. Elaboração esquema multifilar do QDP;
    • 11.8. Elaboração do padrão de entrada de energia;
    • 11.9. Documentação final: Planta elétrica, Esquema multifilar do QDP, Padrão de entrada de energia, Previsão de recursos materiais.
    • 11.10. Desenho auxiliado por computador ( ferramenta CAD ).
  • PROJETO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS INDUSTRIAIS
    • 1. Transformadores:
    • 1.1. Especificação de transformador de potencial (TP):
    • 1.1.1. Isolação,
    • 1.1.2. Grau de proteção (IP)
    • 1.1.3. Tensão primária,
    • 1.1.4. Tensão secundária,
    • 1.1.5. Frequência nominal,
    • 1.1.6. Classe de exatidão requerida,
    • 1.1.7. Carga nominal,
    • 1.1.8. Relação de transformação.
    • 1.2. Especificação de transformador de corrente:
    • 1.2.1. Transformadores de corrente para serviços de medição,
    • 1.2.2. Transformadores de corrente para serviços de proteção,
    • 1.2.3. Tipos de TC,
    • 1.2.4. Grau de proteção (IP)
    • 1.2.5. Classe de tensão,
    • 1.2.6. Relação de transformação de corrente,
    • 1.2.7. Isolação,
    • 1.3. Especificação de transformador de potência:
    • 1.3.1. Potencia nominal,
    • 1.3.2. Tensão nominal primária,
    • 1.3.3. Tensão nominal secundária,
    • 1.3.4. Tapes,
    • 1.3.5. Ligação dos enrolamentos,
    • 1.3.6. Acessórios;
    • 1.4. Catálogos e manuais.
    • 2. Motores elétricos:
    • 2.1. Especificação de motor elétrico de indução:
    • 2.1.1. Características do ambiente (IP),
    • 2.1.2. Rendimento,
    • 2.1.3. Características construtivas,
    • 2.1.4. Conjugado,
    • 2.1.5. Tensão nominal,
    • 2.1.6. Potencia nominal,
    • 2.1.7. Ventilação,
    • 2.1.8. Rotação,
    • 2.1.9. Catálogos e manuais;
    • 2.2. Especificação de motor elétrico de corrente contínua:
    • 2.2.1. Características do ambiente (IP),
    • 2.2.2. Rendimento,
    • 2.2.3. Características construtivas,
    • 2.2.4. Conjugado,
    • 2.2.5. Tensão nominal,
    • 2.2.6. Potencia nominal,
    • 2.2.7. Ventilação,
    • 2.2.8. Rotação,
    • 2.2.9. Catálogos e manuais;
    • 3. Dimensionamento do sistema de partida de motores elétricos de indução:
    • 3.1. Conjugado:
    • 3.1.1. Conjugado do motor,
    • 3.1.2. Conjugado da carga;
    • 3.2. Tempo de:
    • 3.2.1. Aceleração do motor,
    • 3.2.2. Rotor bloqueado;
    • 3.3. Sistema de partida de motores:
    • 3.3.1. Partida direta,
    • 3.3.2. Partida estrela-triângulo,
    • 3.3.3. Partida compensada,
    • 3.3.4. Aceleração rotórica,
    • 3.3.5. Sistema de frenagem,
    • 3.3.6. Soft start;
    • 3.4. Catálogos e manuais.
    • 4. Especificação dos dispositivos de painéis de comandos:
    • 4.1. Dispositivos de:
    • 4.1.1. Comando e sinalização,
    • 4.1.2. Proteção (Seletividade);
    • 4.2. Borneiras;
    • 4.3. Canaletas;
    • 4.4. Painéis de baixa tensão;
    • 4.5. Catálogos e manuais.
    • 5. Proteção de sistemas de baixa tensão:
    • 5.1. Especificações básicas das proteções contra as sobrecorrentes:
    • 5.1.1. Proteção contra correntes de sobrecarga e curto-circuito;
    • 5.2. Dimensionamento dos dispositivos de proteção:
    • 5.2.1. Relés térmicos de sobrecarga,
    • 5.2.2. Disjuntores de baixa tensão,
    • 5.2.3. Disjuntor Motor,
    • 5.2.4. Fusíveis,
    • 5.2.5. Catálogos de manuais;
    • 6. Eletropneumática:
    • 6.1. Métodos de projetos para sistemas eletropneumáticos:
    • 6.1.1. Intuitivo,
    • 6.1.2. Da minimização de contatos ou sequência mínima,
    • 6.1.3. Da maximização de contatos ou cadeia estacionária;
    • 6.2. Simulação dos sistemas eletropneumáticos
    • 6.3. Catálogos e manuais.
    • 7. Eletrohidráulica:
    • 7.1. Projeto de sistemas eletrohidráulicos;
    • 7.2. Simulação dos sistemas eletrohidráulicos
    • 7.3. Catálogos e manuais;
    • 8. Conversor CA/CC:
    • 8.1. Critérios de aplicação e dimensionamento;
    • 8.2. Especificação;
    • 8.3. Catálogos e manuais.
    • 9. Inversor de Frequência:
    • 9.1. Critérios de aplicação e dimensionamento;
    • 9.2. Parametrização;
    • 9.3. Ensaios;
    • 9.4. Especificação;
    • 9.5. Consulta a catálogos e manuais.
    • 10. Controlador Lógico Programável:
    • 10.1. Hardware:
    • 10.1.1. Módulos básicos,
    • 10.1.2. Módulo de entrada digital
    • 10.1.3. Módulo de saída digital
    • 10.1.4. Módulo de entrada analógica
    • 10.1.5. Módulo de saída analógica
    • 10.1.6. Módulo CPU,
    • 10.1.7. Bastidor ou Hack,
    • 10.1.8. Fonte de alimentação,
    • 10.1.9. Módulo de rede,
    • 10.1.10. Interface Homem Máquina;
    • 10.2. Linguagens de programação:
    • 10.2.1. Conforme a IEC 61131 3;
    • 10.3. Metodologia para desenvolvimento de programas de CLP:
    • 10.3.1. Modularização,
    • 10.3.2. Estruturação,
    • 10.3.3. Fluxogramas,
    • 10.3.4. Diagrama de tempos e eventos,
    • 10.3.5. Instruções ou funções de programação,
    • 10.3.6. Criação de um programa,
    • 10.3.7. Envio do programa para o CLP,
    • 10.3.8. Simulação e supervisão;
    • 10.4. Catálogos e manuais.
    • 11. Sistemas Supervisórios
    • 12. Redes de Comunicação Industrial:
    • 12.1. Níveis hierárquicos;
    • 12.2. Análise da estrutura:
    • 12.2.1. Topologia física,
    • 12.2.2. Meio físico de transmissão;
    • 12.3. Protocolos de Comunicação;
    • 13. Validação:
    • 13.1. Utilização de procedimentos de testes;
    • 13.2. Utilização de instrumentos de medição;
    • 13.3. Utilização de EPIs;
    • 13.4. Registrando os dados do comissionamento;
    • 13.5. Análise crítica dos resultados
    • 13.6. Adequação do projeto com base nos resultados obtidos
  • PROJETO DE SISTEMAS ELETRÔNICOS
    • 1. Ferramentas de controle do desenvolvimento e execução do projeto
    • 1.1. Identificação dos pontos críticos;
    • 1.2. Controle de prazos.
    • 2. Dimensionamento de fonte linear
    • 2.1. Retificador
    • 2.2. Filtro capacitivo
    • 2.3. Reguladores de tensão fixos e ajustáveis
    • 3. Dimensionamento do transistor como chave
    • 3.1. Polarização do transistor bipolar
    • 4. Dimensionamento da interface de potência DC
    • 4.1. Optoacoplador DC
    • 4.2. Transistor de potência
    • 5. Dimensionamento da interface de potência AC
    • 5.1. Optoacoplador AC
    • 5.2. SCR
    • 5.3. TRIAC
    • 6. Projeto de sistemas microcontrolados
    • 6.1. Arquitetura interna do microcontrolador
    • 6.2. Entradas e saídas:
    • 6.2.1. Analógicas;
    • 6.2.2. Digitais;
    • 6.3. Interface homem-máquina
    • 6.4. Interface de comunicação
    • 7. Programação para microcontroladores
    • 7.1. Lógica de programação
    • 7.2. Programação estruturada
    • 8. Validação do projeto
    • 8.1. Medições e ajustes
    • 8.2. Funcionamento de acordo com o projeto
    • 8.3. Correção de possíveis falhas de projeto
    • 8.4. Registros da validação.
    • 8.4.1. Resultados da validação
  • PROJETO DE MELHORIAS DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS
    • 1. Planejamento dos projetos de melhorias:
    • 1.1. Definição do escopo junto ao cliente;
    • 1.1.1. Como interagir com o cliente;
    • 1.1.2. Levantamento dos dados pertinentes.
    • 1.1.3. Determinação do escopo do projeto.
    • 1.1.4. Validação do escopo junto ao cliente.
    • 1.2. Diferenciais:
    • 1.2.1. Inovação;
    • 1.2.2. ecoeficiência.
    • 1.3. Análise da viabilidade:
    • 1.3.1. técnica,
    • 1.3.2. financeira;
    • 1.4. Elaboração de cronograma
    • 1.4.1. etapas para a execução
    • 1.4.2. prazos para fornecimento dos recursos materiais e humanos
    • 1.4.3. pontos de verificação e ajustes;
    • 1.5. Definição de critérios para avaliação do protótipo, produto ou sistema:
    • 1.5.1. processos de fabricação,
    • 1.5.2. manutenção,
    • 1.5.3. segurança,
    • 1.5.4. impactos ambientais,
    • 1.5.5. determinação do alcance do escopo definido com o cliente.
    • 2. Desenvolvimento dos projetos de melhorias:
    • 2.1. Alocação de recursos para execução:
    • 2.1.1. Técnicos e/ou tecnológicos,
    • 2.1.2. Humanos,
    • 2.1.3. Materiais;
    • 2.2. Execução:
    • 2.2.1. Construção de protótipos, produtos e/ou sistematização de resultados.
    • 2.2.2. Testes e simulações;
    • 2.3. Validação do projeto.
    • 2.3.1. avaliação das características técnicas e funcionais;
    • 2.3.2. avaliação do alcance do escopo definido com o cliente.
    • 2.4. Elaboração de documentação técnica da integração:
    • 2.4.1. memorial descritivo;
    • 2.4.2. registro de avaliação de viabilidade;
    • 2.4.3. registro de validação.
  • EMPREENDEDORISMO
    • 1. QUEM SOU EU?
    • 2. COMO SER UM JOVEM EMPREENDEDOR
    • 3. CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO
    • 4. O JOVEM NO TRABALHO
    • 5. COMO IDENTIFICAR OPORTUNIDADES
    • 6. TRABALHO X EMPREGO
    • 7. DEFININDO SEU NEGÓCIO
    • 8. ESCOLHAS E DECISÕES
    • 9. QUEM É O SEU CLIENTE?
    • 10. SONHOS E METAS
    • 11. PLANEJANDO AS ATIVIDDES DO NEGÓCIO
    • 12. AVALIANDO MEU PERFIL
    • 13. PLANEJAMENTO FINANCEIRO
    • 14. ADMINISTRAÇÃO DO TEMPO
    • 15. ENTREVISTA COM O EMPREENDEDOR
    • 16. BUSCANDO OPORTUNIDADES NO MERCADO DE TRABALHO
    • 17. COMUNICAÇÃO E RESULTADOS
    • 18. AVALIANDO OS PROJETOS
    • 19. EQUIPES EM AÇÃO
    • 20. ORGANIZAÇÃO PARA A FEIRA
    • 21. AVALIAÇÃO DA FEIRA DO JOVEM EMPREENDEDOR
    • 22. DESPERTAR EMPREENDEDOR: UM CAMINHO A PERCORRER

Carga Horária

1232 Horas

Mais Informações

* Informamos que este curso só ocorrerá se for atingido o número mínimo de alunos por turma.
SENAI - Departamento Regional do Ceará | CNPJ: 03.768.202/0001-76
Av. Barão de Studart, 1980 - 1º andar - Aldeota - Fortaleza/CE - CEP: 60.120-024
Política de Privacidade & Copyright